Ramon Cassini

Animal

Cuidados com cães idosos


08/09/2016

A velhice é uma fase em que o seu cão precisa de uma atenção diferente. Ele fica mais lento, seu corpo não responde mais como antes e ainda pode precisar de alguns cuidados especiais. A idade varia dependendo da raça. Raças grandes e gigantes podem começar com os sinais de envelhecimento a partir dos 06 anos, enquanto que nas raças menores ou sem raça definida eles podem surgir a partir dos 08 anos. Nessa fase, o cérebro do cão começa a envelhecer e existe um declínio na função cognitiva – memória, aprendizado, percepção e consciência – além da perda de algumas funções como olfato, visão e locomoção. Por isso, o dono de um cão idoso precisa ter muita paciência. Talvez o cão não corra mais como antes, nem faça tanta festa. Talvez ele consiga apenas ficar por perto e fazer uma caminhada curta pela rua. Conforme essa fase se aproxima, o dono precisa redobrar os cuidados e levar o cão ao veterinário com maior frequência, para que seja possível detectar com maior brevidade algum sinal de alterações que possam ser amenizadas se tratadas logo. Doenças como artrite, câncer e catarata são comuns nesta idade. Dar uma boa qualidade de vida ao animal no final da sua vida é essencial. O peso do cachorro também influencia bastante na qualidade dos últimos anos de vida do animal. Um cão com o peso ideal pode viver mais e ter menos problemas de saúde quando idoso. Controle bem a alimentação do seu animal de estimação. Não deixe comida à vontade, controle o peso com ajuda de um veterinário. Além disso, algumas mudanças comportamentais também podem ser observadas no cão idoso: latidos excessivos, alteração de apetite, xixi e cocô no lugar errado, ansiedade de separação, medo e até mesmo agressividade. O cachorro fica mais dependente das pessoas, não consegue mais controlar os esfíncteres, fica mais resistente a qualquer alteração ambiental. Por isso, a probabilidade de um problema comportamental surgir ou se agravar é muito grande. Pode ser que o animal não consiga mais andar até onde costumava fazer xixi e cocô. Pode ser que sinta mais frio, já que seu metabolismo diminui. Pode ser que não seja mais tão paciente com brincadeiras de crianças ou de outros cães, ou até mesmo que ele passe muito mais tempo dormindo do que brincando. Dessa forma, o dono precisa pensar no conforto do seu cão. Deixe sua cama mais confortável, num lugar mais próximo onde ele tem costume de fazer suas necessidades. Não o deixe em pisos escorregadios, pois suas articulações não são como antes. Estimule seu cão com brincadeiras adequadas para que ainda tenha alguma atividade divertida. Controle as crianças e os outros cães da casa, pois eles não podem mais brincar da mesma maneira que antes.


Por Ramon Cassini

Publicidade Notícias - 1
Publicidade Notícias - 2
Publicidade Notícias - 3